FIES

#O que Ă© o FIES

O que Ă© FIES

Fies, o que é? e como se inscrever?

Sem sombra de dúvidas os programas de cunho educacional do Governo Federal ajudam milhares de jovens a irem em busca de seus sonhos, a universidade. Antes da existência dos programas, somente ia para a universidade quem realmente possuía condições de estar e se manter lá. Felizmente esse conceito mudou, facilitando e muito, o acesso da população de baixa renda as universidades públicas e particulares.

Entre os programas e projetos que mais se destacam estão o próprio ENEM, que é usado como medidor base para a entrada em todos os outros programas como o SISU, Fies e o Prouni, por exemplo.

Neste artigo, hoje trataremos exclusivamente sobre o Fies, explicando do que se trata, quais os seus benefícios e como se inscrever no programa. Quer ficar por dentro de tudo? Segue na leitura aqui com a gente!

O que é?

O FIES ou Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, é um programa de cunho estudantil criado no ano de 1999 e evolui do Crédito Educativo (outro programa criado durante o regime militar no ano de 1976), enquanto o presidente do Brasil era Fernando Henrique Cardoso. O programa foi amplificado por Luis Inácio Lula, Presidente do Brasil após Fernando Henrique.

O principal objetivo do programa é facilitar a entrada de estudantes de baixa renda em universidades particulares, ou privadas. Isso ocorre por conta do programa servir como um instrumento na redução da taxa de juros quando os alunos optarem por fazer empréstimos com o intuito de custear os seus estudos na universidade privada.

Como funciona o Fies?

O estudante pode pegar o valor destinado ao ensino, independente de qual seja o valor solicitado e só começará a pagar a primeira parcela um ano e meio após estar formado. Esse período chamamos de tempo de carência. Então atualmente o tempo de carência é de cerca de 18 meses, atualmente um projeto de lei que aumenta esse período de carência para 3 anos ou 36 meses está tramitando no Congresso Nacional.

Possui ótimos números se for comparado com o quadro geral de vagas, no ano de 2014 estima-se que cerca de 26% dos estudantes de universidades privadas entraram com a ajuda do Fies. O que é um número bem expressivo, são mais que 1 a cada 4 dos estudantes.

Vale lembrar que um dos requisitos para ter acesso ao Fies é obter a nota geral mínima de 450 pontos no ENEM. E no início do programa quem era responsável pela sua operação eram as instituições financeiras relacionadas ao Governo Federal, como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, Atualmente quem é responsável pela administração dos recursos do programa é o FNDE ( Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

Para participar do FIES, é necessário ter acesso a internet pois todo o processo seletivo é realizado de maneira on-line. Vale salientar que o processo on-line é muito mais cômodo e

pratico do que o processo presencial. Além do mais, isso traz mais credibilidade e confiança no processo, que dificulta ou impede quase que completamente algum tipo de fraude ou embuste.

Quem pode se inscrever no FIES?

Para poder realizar a solicitação de participação no FIES é necessário que o curso que se deseja fazer possua avaliação positiva no SINAES (sistema nacional de avaliação da educação superior), além de serem oferecidos em instituições educacionais de ensino superior que sejam participantes e atendam todas as exigências e requisitos estipulados nas normas do FIES.

Na avaliação realizada pelo SINAES a nota mínima deve ser de pelo menos 3, para poder o curso ser aprovado no sistema de financiamento do FIES. Algumas instituições de ensino não precisam ter sido submetidas ao exame do SINAE, em caso de serem autorizadas pelo MEC (Ministério da Educação).

Os estudantes que podem se inscrever devem ficar entre as faixas salariais I e III. Essas faixas variam de renda familiar bruta mensal de até R$ 7800 na faixa I, e na faixa III a renda média deve ficar entre 15 e 20 salários mínimos.

Como funciona com a divisão da renda?

Na faixa I o percentual do financiamento varia de 100% do valor do curso até 50% do valor total. O percentual financiado pelo Governo Federal varia de acordo como foi afetada a renda da família por conta do valor da mensalidade da instituição. O curso é financiado integralmente pelo Governo se as parcelas corresponderem a 60% da renda mensal bruta da família.

Da mesma maneira, 75% do curso é financiado pelo governo se as mensalidades forem equivalentes a 40% até 59% da renda familiar. Quando o valor da mensalidade e dos encargos educacionais forem equivalentes a 39% ou a apenas 20% da renda familiar bruta, cerca de metade do curso ainda pode ser financiado, ou seja, o FIES contribui ainda com 50% do financiamento.

Na faixa II, onde a renda familiar bruta mensal varia de R$ 7.800 e cerca de R$ 11.700, existem apenas duas opções de financiamento, a de 75% do valor do curso e 50% do valor total. E funciona da seguinte maneira.

Para ter 75% do valor do curso financiado é necessário que o gasto com o ensino superior seja de pelo menos 40% ou mais da renda familiar mensal bruta. E ainda nos casos que possuem mais do que 40% de sua renda destinada aos custos da educação, infelizmente o teto do financiamento nesta faixa é de 75%.

Para ter 50% do custo financiado através do programa, é necessário que pelo menos 20% da sua renda seja equivalente aos custos mensais da instituição.

Na faixa III, com a renda máxima de 20 salários mínimos, o máximo do financiamento que pode ser obtido é de 50% se os valores gastos com a instituição de ensino se equivalerem a pelo menos 20% da renda familiar bruta mensal.

Como se inscrever no FIES?

Para se inscrever é muito simples, pois todo o processo é feito on-line. Vale lembrar que você já deve ser pré-selecionado, e cinco dias após a divulgação do resultado você já pode informar os dados do financiamento desejado. Após fazer a inscrição você deverá ir ao CPSA (Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento) na universidade onde se deseja realizar o curso para validar suas informações.

Depois disso, o candidato deve ter já escolhido um fiador (que será responsável por arcar com o custo, caso o estudante não cumpra com sua palavra de pagador) e os dois juntos deverão ir até a instituição financeira (Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil) fazer o acerto.

Após isso cada universidade possui um processo que adotou para concluir com a inscrição do aluno, deve então ir à instituição de ensino e consultar as especificações.

Saiba mais

Site Fies

Veja também:

Tudo sobre o Prouni
Tudo sobre o Sisu